jusbrasil.com.br
27 de Novembro de 2021

Quem foi Rodolfo Gustavo da Paixão

Ex-governador de Goiás e ex-deputado federal

Leandro Teles Rocha, Bacharel em Direito
Publicado por Leandro Teles Rocha
há 2 anos

Rodolfo Gustavo da Paixão nasceu em São Brás do Suaçuí, então distrito de Entre Rios de Minas, Minas Gerais, em 13 de julho de 1853. Foi um militar, político e poeta brasileiro, militante das campanhas abolicionista e republicana, reformado em 1913 no posto de general de brigada, atingindo o posto de marechal ao passar para a reserva.

Formado na Escola Militar, no Rio de Janeiro, Rodolfo Gustavo da Paixão foi engenheiro militar e bacharel em matemática e ciências físicas. Foi também aluno do curso de Estado-Maior.

Serviu em Cruz Alta, Rio Grande do Sul, onde casou, em 1883, com Josephina Annes Dias da Paixão, filha do Coronel Diniz Dias, Barão de São Jacob.

Era primo de Antônio Jacó da Paixão, um dos signatários da Constituição brasileira de 1891, e do médico Tibúrcio Antônio da Paixão, um dos fundadores da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora.

Depois de proclamada a República, foi nomeado presidente do estado de Goiás pelo governo provisório do marechal Deodoro da Fonseca, em 24 de dezembro de 1889. Tomou posse em 24 de fevereiro de 1890. Em 20 de janeiro de 1891 deixou a presidência do estado de Goiás, reassumindo em 18 de julho de 1891.

Leopoldo de Bulhões e seus aliados promulgaram a Constituição do Estado de Goias em 1º de junho de 1891. Rodolpho Paixão, em decreto de 10 de julho de 1891, cassou o mandato dos vinte e quatro parlamentares que assinaram a ata de abertura da Constituinte e os processou pelos crimes de desobediência, sedição e usurpação de funções. Com a renúncia do presidente da República marechal Deodoro da Fonseca e a posse do vice-presidente marechal Floriano Peixoto, foi destituído da presidência do estado de Goiás em 7 de dezembro de 1891.

Durante a Revolta da Armada de 1893, foi comandante da guarnição de Minas Gerais.

Rodolfo Paixão foi diretor da Colônia Militar do Alto Uruguai, chefe de obras militares nos estados do Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e interventor no estado do Maranhão no governo de Nilo Peçanha.

Foi eleito deputado federal por Minas Gerais em 1897 e reeleito para as cinco legislaturas subsequentes, permanecendo na Câmara dos Deputados até 31 de dezembro de 1914, da 3ª à 8ª legislaturas. Rodolfo Gustavo da Paixão presidiu a Comissão de Marinha e Guerra da Câmara dos Deputados e foi um dos parlamentares que mais brilhantemente trabalharam pela remodelação do Montepio.

Morreu no Rio de Janeiro, em 18 de novembro de 1925.

Bibliografia:

Rodolfo Gustavo da Paixão publicou os poemas:

  • Scenas da escravidão (Rio de Janeiro, 1874)
  • Victor Hugo e Castellar (Rio de Janeiro, 1876)
  • Senio (Alto Uruguai, 1881)
  • A Inconfidencia (Rio de Janeiro, 1896)
  • Trinos e cantos (Rio de Janeiro, 1896)

Escreveu ainda os seguintes livros:

  • Seguros, estudo sobre montepio civil e militar e seguros em geral
  • Montepio dos empregados públicos de Goiás (Goiás, 1891)
  • Mistilineas. Lirios. Facetas. Quadros. Turbilhões. (Porto Alegre, 1885)

Rodolfo Gustavo da Paixão foi membro da comissão de redação da Revista da Sociedade Phenix Litteraria no primeiro semestre de 1878 e no primeiro semestre de 1879.

Fontes:

1) Diário do Congresso Nacional. 16 de julho de 1953. Disponível em: http://imagem.câmara.gov.br/Imagem/d/pdf/DCD16JUL1953.pdf

2) Alzira Alves de Abreu (2015). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930), Fundação Getulio Vargas. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/PAIXÃO,%20Rodolfo%20Gustavo%20d...

3) MONTEIRO, Norma de Góis (Coord.) (1994). Dicionário biográfico de Minas Gerais: período republicano 1889-1991. Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Disponível em: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/128

4) Sacramento Blake (1902). Diccionario Bibliographico Brazileiro. Imprensa Nacional, sétimo volume. Disponível em: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/15/Diccionario_Bibliographico_Brazileiro_v7.pdf

5) Jornal do Brasil. 27 de janeiro de 1934. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/030015/per030015_1934_00023.pdf

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Observações sobre o artigo "Quem foi Rodolfo Gustavo da Paixão":

1) O livro "Seguros, estudo sobre montepio civil e militar e seguros em geral" não chegou a ser publicado, porque os originais foram extraviados após a morte do autor.

2) Existe um erro no Diccionario Bibliographico Brazileiro de Sacramento Blake. O nome correto do livro é "Mistilineas. Lirios. Facetas. Quadros. Turbilhões." continuar lendo

Observação genealógica:

Rodolfo Gustavo da Paixão era irmão do professor e inspetor regional de ensino Antônio Raymundo da Paixão. Segundo o Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930), da Fundação Getulio Vargas, Rodolfo Gustavo da Paixão era sobrinho de Antônio Júlio da Paixão. continuar lendo